sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Dentro de mim carrego o muito que vivi e o pouco que conheço. E às vezes tenho a sensação de que não cabo mais aqui dentro, por isso levo pra fora todos os meus eus e posso ser várias, aos meus olhos ou aos seus, mas a essência é uma só, e essa sim, não muda nunca. Sinto nas pequenas entrelinhas e caminho sempre nas linhas explicitamente tortas. Posso ser uma explosão de cores Almodovarenses e, após um suspiro, transformar o meu mundo em um cinza calmo e melancólico. Porque o meu mundo é assim mesmo, igual ao de todo mundo: ambíguo e irremediavelmente inconstante.


Nenhum comentário:

Postar um comentário